Macaúba

361

Nome Comum: Macaúba

Nome Científico: Acrocomia aculeata
Família: Palmae
Características Morfológicas: Palmeira muito comum no interior do Brasil, costuma ter entre dez e 15 metros de altura. O tronco não passa de 30 centímetros de diâmetro e apresenta espinhos. Dá um fruto, uma espécie de coquinho, em cachos de 70 a 80 centímetros de comprimento.
Origem: Brasil.
Ocorrência Natural: Do Pará até São Paulo, Rio de Janeiro e Mato Grosso do Sul, sobretudo na floresta latifoliada semidecídua.

O que não falta para esta árvore é nome. É conhecida por macaúva, coco-de-catarro, bacaiúva, bacaiuveira, coco-de-espinho, coco-baboso, macacaúba, macaíba, macajuba, macaibeira, mucajá, mucaiá e mucajuba.

A espécie possui larga aplicação em vários setores, do alimentícios e de cosméticos, passando pelo paisagismo e, mais recentemente, pelo mercado da bioenergia (óleos do coquinho esmagado, que são acrescidos ao diesel).

De seus usos mais primários, a madeira serve para construções rurais, seja na confecção de ripas ou calhas. As folhas, além de forração, são rica em fibras têxteis para a fabricação de redes e linhas de pescar.

Na alimentação, tem a fécula nutritiva do tronco, e seu fruto tem muitas utilidades: a polpa é consumida in natura ou usada para a extração de gordura, e a amêndoa fornece um óleo claro, semelhante ao de oliva.

Seus frutos normalmente amadurecem de setembro a janeiro, mas sua germinação é moderada. Aliás, o desenvolvimento das mudas ou mesmo da própria planta no campo é bastante lento. Apesar disso, é a palmeira com maior dispersão no Brasil.

Saiba mais:
Árvores Brasileiras – Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil, de Harri Lorenzi.

SEM COMENTÁRIOS